Música Imigrante

De dentro do estúdio vem um burburinho. Na primeira vez você não consegue compreender qual língua aqueles seis homens, tão diferentes entre si, estão conversando. Entre batuques e gritos finalmente o português ressalta, com o sotaque especial de gringo que de longe reconhecemos. Mas esses caras não são gringos, certo? Esses caras tem um pouco de São Paulo dentro de si e são esses imigrantes que transformam São Paulo nessa coisa que acontece nos nossos corações.Aqui é o lugar certo para se estar, se não pode (ou nem quer!) ficar em casa. Não que ela se transforme em um lar, mas se adapta. Mas o que é a Sampa a cabeça de quem vem de fora? É isso que a série Música Imigrante vem mostrar.

São Paulo é movimento, sempre. Movimento e barulho. Nisso todos concordam. O bonito é ver como esses músicos compreendem os ruídos da cidade como música. Como reconhecem em cada bairro o som que vem de dentro e se encaixam ali. O uruguaio Jorge Peña se encontrou em Pinheiros e no silêncio que consegue encontrar nas praças e no verde. O americano Victor Rice e o português João Fonseca gostam mesmo é do centro, do caos, das feiras de rua e vida noturna, enquanto o cubano Pepe passeia apaixonado pela Rua Teodoro Sampaio e todos os sons que saem das lojas de música.

São seres muito musicais, então, o assunto não poderia variar. Quando perguntamos que som vem de dentro de São Paulo, o samba é a estrela. “Não posso ficar nem mais um minuto com você”, cantarola Pitschú, o angolano-alegria enquanto conta que essa música sempre vem à cabeça. “Tem de todos os ritmos, mas, no fundo, o samba ecoa forte. Queria aprender a tocar pandero, mas é fato que nenhum cubano consegue", Pepe lamenta. O Victor não tem dúvidas de que só aprendeu a ser preciso quando tocou pagode.

Mas tudo muda quando se chega na cidade e os sons de todos os imigrantes se misturam. Quando os ritmos de outros lugares se encontram e a magia acontece. Um pouco dessa magia foi feita no Red Bull Studios, em São Paulo. Esses novos paulistanos juntaram as frequências diferentes para criar uma jam cheia de suíngue que representa a cidade na cabeça deles. Conheça um pouco mais sobre esses músicos e a faixa que eles criaram juntos, no improviso. A homenagem é para São Paulo, ou Gotham City - como João gosta de chamar - mas quem ganha o presente somos nós.

Ouça a jam produzida pelos músicos imigrantes no Red Bull Studios: